Como ter uma relação feliz

Por mais que desejemos ter um amor profundo e verdadeiro, a maior parte das pessoas passa muito mais tempo a lutar com sentimentos de solidão, de desconexão e muitas vezes magoados por nunca conseguirem ter a relação que tanto desejam. O que é que será necessário para criar um relacionamento verdadeiro, com equilíbrio e que perdure? 

 

Na minha primeira experiência no programa Casados à Primeira Vista foi-me revelado o dado de que 7 em cada 10 casamentos em Portugal resultam em separação. Eu não consigo imaginar todo o sofrimento, a frustração, o estar a recomeçar de novo, a recomeçar novas relações, a recomeçar a esperança no amor, na criação de novos vínculos ou novas entregas que está agregado a uma separação. Por isso, eu não acredito que este resultado seja fruto de falta de luta ou desinteresse na relação, acredito sim, que este é o resultado de uma falha na gestão de expectativas, falta de comunicação e/ou necessidade de comparação com outros casais.

 

Tenho uma novidade para ti: Não existem relações perfeitas! Existem, sim, relações que vivem de harmonia e felicidade.

 

Podemos sempre aprender com o outro e ele connosco, mas para tal temos que saber escuta-lo e perceber de que forma podemos elevar a nossa relação. Há casais em têm uma ideia de relação diferente um do outro, mas se o objectivo de futuro para a relação é o mesmo ela vai mesmo ter futuro? O senso comum diz-nos que sim mas será assim mesmo? Vamos tentar perceber que ferramentas podemos utilizar para aprender a elevar a nossa relação para outro patamar e, sobretudo, quando é que chega o dia em que paramos de esperar e tomamos a decisão que queremos para o nosso futuro individual.

 

O QUE APRENDI COM A MINHA RELAÇÃO

 

Durante todos estes anos que estou com a Joana, e ao fim de 3 filhos, existem seis hábitos que nunca nos esquecemos de praticar. E é sobre essas 6 práticas que vos quero falar, não são nenhuma fórmula mágica, mas são pequenos gestos que fazem a diferença no nosso casamento.

 

1.APOIAMOS-NOS

Na vida pessoal ou profissional, não existe nenhum projecto que não avance sem conhecimento e uma conversa entre os dois. Muitas vezes discordamos acerca do que cada um pensa do que é melhor para si mas nunca nos deixamos de apoiar incondicionalmente. Há medida que a relação cresce, cada um de nós também cresce individualmente e agregado a isso vêm novos sonhos e novas ambições. O sonho de casar, a ambição de conquistas profissionais, ter filhos, comprar uma casa, mudar de emprego, construir uma família, investir num negócio. São estádios da vida que, invariavelmente, precisam de ter uma base de apoio e compreensão pois, para além de serem decisões de extrema importância individual e para o casal, exigem muitas vezes o sacrifício da relação. Num estágio inicial da construção de um projecto eu terei que me ausentar mais do que gostaria mas ambos sabemos que é um episódio provisório e que quando o negócio se estabelecer podemos tirar uns dias só para nós. O mesmo acontece quando tomamos uma decisão a nível pessoal. Quando decidimos ter um filho, sabemos que o tempo que vamos ter para nos dedicarmos ao trabalho é muito menor e isso pode significar uma “época baixa”. Por isso, a regra é esta: podemos discordar em muita coisa mas apoiamos-nos incondicionalmente em tudo!

 

2.ZANGAMOS-NOS

As discussões são um mal necessário para uma vida (a dois) feliz. Elas acabam por resultar duma partilha de opiniões diferentes e isto é reflexo de uma relação íntima saudável pois existe uma exposição do que se sente sem qualquer desconforto.

 

No entanto, nem todas as zangas são saudáveis e é importante perceberes a distinção de quando concordas em discordar ou quando existe uma postura mais critica ou mesmo de ataque. Isso não é saudável e muito menos recomendável.

3.PERGUNTAMOS

“Como correu o teu dia?”, “Precisas de ajuda?”. “Está tudo bem?” ou “Como te sentes?” –  com o evoluir da relação e a rotina em casal é muito comum acabarmos por nos esquecer de perguntar pelo outro.

 

Não perguntar não demonstra necessariamente desinteresse no outro ou na relação, mas também não mostra interesse. E aqui está o ponto: não perguntar significa exactamente nada. E o nada não é positivo. Esperarmos constantemente que seja o outro a contar como foi o seu dia e depois contarmos o nosso (ou vice-versa) pode ser exaustivo e frustrante.

 

Comunicar aumenta a proximidade do casal e todos sabemos qual é o resultado quando existe falta de comunicação entre ambos. A relação simplesmente não funciona.

 

Perguntem, saibam um do outro, criem este hábito para que sejam mais as vezes que o casal se sinta amparado do que desconectado.

 

4.MANTER OS RITUAIS

Único, irrepetível e construído a dois. Os rituais é algo comum ao casal.

 

É público que eu e Joana reservamos a sexta-feira sempre para nós. Para cultivarmos a nossa relação. É um dia para os dois, aquele que é praticamente intocável porque precisamos disso. É a nossa dinâmica como casal. É tempo que é só nosso: sem filhos e sem compromissos profissionais. Nestas alturas o foco somos nós, seja para almoçar fora ou ficar em casa a ver filmes.

 

Os casais precisam dos seus momentos e é aqui que encontramos o nosso equilíbrio, é neste preciso momento que nos lembramos porque nos gostamos tanto. É aqui que voltamos a ser um só.

 

A azáfama e a rotina do dia a dia, entre escolas, trabalhos ou actividades extra-curriculares, tira-nos muito tempo como casal. Muitas vezes chegamos ao final do dia cansados e só pensamos na hora de ir dormir e, por isso, manter os nossos rituais é muito importante para a nossa harmonia e felicidade.

 

5.NÃO NOS ESQUECEMOS QUE SOMOS UM CASAL

O que acontece na minha vida é também um bocadinho da Joana, seja uma reunião ou uma sessão de Coaching. Com isto quero dizer que nunca nos esquecemos que somos um casal mesmo quando não estamos juntos.

 

Se a Joana vai ter uma reunião importante, eu vou lembra-me de lhe ligar ou mandar uma mensagem a dizer que vai correr tudo bem. Se eu vou ter uma sessão de Coaching com um cliente que precisa de mais atenção, a Joana vai dizer-me para não me preocupar com as horas. Mesmo não estando juntos, somos um casal e um casal mantém-se unido. O que fazemos individualmente é também um bocadinho do outro e por isso, as conquistas são sempre celebradas a dois e as coisas menos boas com o colo um do outro.

 

6.NÃO NOS DAMOS COMO GARANTIDOS

O futuro é incerto e nunca sabemos o que pode acontecer amanhã, por isso, não darmos a relação como garantida permite-nos aproveita-la ao máximo. Tirar o melhor partido dela. A felicidade da Joana é a minha felicidade e é sempre para isso que vou trabalhar.

 

Por não nos darmos como garantidos é que não nos negligenciamos, não nos esquecemos que existimos e continuamos empenhados em fazer da nossa família a família mais feliz do mundo. As relações fazem-se todos os dias!

 

 

Espero, sinceramente, que tenhas gostado da minha partilha sobre os 6 hábitos que praticamos para que a nossa relação seja feliz e harmoniosa. A verdade é que nem sempre as coisas são como idealizamos, mas se conseguirmos manter a estrutura unida, somos praticamente inabaláveis.

 

Dias 7, 8, 9 e 10 de Junho acontece o SECRET CODE – um evento de 4 dias onde vou falar presencialmente e somente sobre relações. Este é um programa destinado a Coaches, Terapeutas, Líderes Empresariais, Pais Conscientes e Todos os Interessados a Melhorar as suas Relações.

 

Se sentes que este é o momento para ir para um novo patamar na tua relação contigo e com os que mais amas sabe aqui como tudo vai acontecer.

SE GOSTOU, PARTILHE

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email
Share on whatsapp
Share on skype
Share on print